A CHEGADA, O CINEMA E A LINGUAGEM


❤Este filme “A Chegada” (“Arrival”) é a primeira vista um filme de ficção científica. No entanto, ao longo da história, diversas questões sobre a própria humanidade e sua existência são discutidas, culminando com um final imprevisível, poético e simbólico.
Vamos lá. Sem adentrar muito à história para não estragar a experiência de quem ainda não assistiu à este belo filme, em linhas gerais, Dra. Louise Banks, interpretada pela ótima Amy Adams, é uma linguista chamada para tentar se comunicar com seres extraterrestres que invadiram a Terra em diversos pontos do mundo.
Eles não apresentam uma ameaça direta, mas é necessário entender o que querem dizer, justamente para poder se antecipar e prevenir eventual ataque. A história se passa nos Estados Unidos da América, mas demonstra que a realidade discutida pode ser aplicada em qualquer parte do mundo – as diversas conferências entre as nações demonstram bem isso.
Porém, mais do que um filme sobre alienígenas, união dos povos, como alguns parecem pensar, o filme vai além, e questiona a própria razão de existirmos, nossas crenças e visões de mundo.
A direção do filme é certeira e delicada, conduzida por um diretor que eu gosto muito e que não tem medo de arriscar – o canadense Denis Villeneuve, dos também brilhantes filmes “Incêndios” e “Blade Runner 2049”.
Ainda, a trilha sonora compõe com o filme de maneira sublime, mostrando que não há começo nem fim, somente a existência. Repare que a música age como parte fundamental da história, interagindo e se misturando com ela, tecendo os acontecimentos através de sua melodia por vezes suave, por vezes intensa.
A discussão primordial do filme, ao menos a meu ver, se desenrola sobre a linguagem e suas bases. Para desenvolver uma língua a fim de se comunicar com estes seres, a personagem de Amy Adams precisa entender os próprios fundamentos do universo em que eles vivem.
Parece confuso, mas não é – não muito, pelo menos. A base da língua é a base da própria sociedade. É o entendimento que ela tem sobre os assuntos que a caracterizam como tal.
No caso do filme, e linguista vem a entender que eles se comunicam de uma forma circular, sem começo, nem meio, nem final, sendo tudo parte da forma holística destes seres verem o mundo.

Cada povo tem sua forma de ver o mundo e sua linguagem a espelha com clareza. A função do linguista não é só compreender a língua, mas o próprio contexto em que está inserida.
O cinema possui uma linguagem específica, assim como a música, a literatura, cada uma com regras e características próprias.
Como qualquer forma de linguagem, o que é dito não é necessariamente o que é entendido. Cada um reconhece o que é dito a partir de suas próprias experiências, vivências e formas de ver o mundo. Por isso, muitas vezes dizemos algo que é mal compreendido, ou que é entendido de forma totalmente diversa ao que dissemos.
Este filme, como qualquer outra forma de expressão de linguagem, tem diversas interpretações. Eis a minha: empatia, conhecimento e humildade são as melhores formas de se adentrar a um mundo novo. Seja extraterrestre ou terrestre.
Só podemos almejar entender outra pessoa se tivermos o mínimo de paciência e vontade de entendê-la. Ouvir, aprender e buscar a compreensão é a grande lição deste filme para mim. O medo e o desconhecimento só levam à ruína.
É o cinema ensinando que não importa quem, não importa onde, tudo se resume à interpretação que cada um faz da situação posta. A minha, é que a base de tudo é o amor.❤

COMENTE COM O FACEBOOK

Tecnologia do Blogger.