PESSOAS INSPIRADORAS - TADEU RODRIGUES

Estamos de volta com esta coluna que eu amo, em que trago pessoas inspiradoras, que dividem um pouco de si conosco, nos trazendo um pouco de arte, de literatura e de amor.

O convidado de hoje é o escritor e advogado Tadeu Rodrigues, autor de diversos livros, apresentador, junto com a jornalista Jessica Balbino, do Podcast Literário Rabiscos, minha atual obsessão.




Do Tadeu li seu último livro "A Utilidade do Rascunho" pelo qual sou apaixonada. Estou no aguardo para ler os outros, tenho certeza de que são igualmente incríveis. Adoro tudo o que o Tadeu escreve, ele sempre tem um olhar poético sobre a vida, mas que foge do óbvio. Tadeu é pura inspiração.

Sem mais delongas, segue a entrevista que ele, gentilmente, me cedeu. Tomara que os inspire, assim como me inspirou.❤

1)  Se você tivesse que escolher de 1 a 3 livros que mudaram a sua vida, aqueles que você não vive sem, que daria de presente sempre que pudesse, quais seriam?

1- A Redoma de Vidro, da Sylvia Plath, que leio em meus momentos de baixa.
2 - Um Sopro de Vida, da Clarice Lispector, que segue sendo meu guia.
3 - Memórias Póstumas de Brás Cubas, do Machado de Assis, que ensina, com primor, como se contar uma história. 


2) Qual foi o ensinamento/crença/aprendizado que mais mudou sua vida nos últimos anos?

Saber ouvir, neste mundo que todo mundo só quer falar.
Falar dos erros e das derrotas em tempos que todos só falam das vitórias. 


3) Quando e como você soube o que queria fazer da vida? Quando descobriu seu propósito?

Ainda não descobri e não sei se vou. Talvez viver seja procurar os pequenos propósitos dia a dia, segundo a segundo.
Tanto a advocacia quanto a escrita me trouxeram à vida quando me senti parte de algo - ainda sem nome - através delas. 


4) Como é seu processo criativo (ou de trabalho)? Você é metódico com o que faz, ou deixa as coisas fluírem espontaneamente?

A história não tem muita hora para aparecer em mim. Mas sigo atento aos sinais. Ela aparecendo, tudo fica claro e começo a escrever.
Com a sinopse na cabeça, parto para a estrutura, aí sim de modo metódico e rotineiro.
Escrevo às noites e vou anotando e gravando as ideias que surgem no decorrer da criação e das observações.
Observo minha memória enquanto escrevo, ela diz tanto e não para de falar. 


5) Quando você está exaurido/sem foco/sem inspiração, o que você faz?

Desacelero. Leio poesias mais líricas, procuro bandas novas, assisto filmes independentes.
E tento não escrever por um tempo, nunca consigo.


6) Quais (ou quem) são suas maiores influências/inspirações?

Na literatura me inspiro em muitos nomes que me servem de modelo. De cabeça vêm alguns como: Murakami, Hilda Hilst, Sylvia Plath, Ana Cristina César, V. Woolf, Matilde Campilho, Clarice Lispector, Machado de Assis, Drummond, Leminski, Ken Follett, Guimarães Rosa, João Cabral.


7) Qual foi o processo de criação de seus livros? O que você tira de positivo e de negativo dessas experiências?

Meu processo criativo compreende muita experiência de laboratório. Fico meses conhecendo o mundo que vou criar. Já escrevi sobre teatro, suicídio, moradores de rua, circo. Ou seja, cada mundo, um ponto. Cada mundo, uma descoberta pessoal. Após viver nesses ambientes, conhecer pessoas, experimentar sensações, consigo escrever com mais segurança. 


8) Quais seus próximos projetos?

Publicar meu novo romance é o projeto que almejo de pronto e nele estou debruçado.


9) Se você tivesse que deixar uma mensagem para quem está lendo, qual seria?

Viver está no caminho.


Obrigada Tadeu!

Para saber mais dele e de seus projetos, seguem os canais em que pode encontrá-lo:





Até a próxima!!

Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III