EDUARDO E MÔNICA

Começando bem o ano com a crítica desse filme delicioso e necessário: "Eduardo e Mônica". Se você logo pensou na música do Legião Urbana composta por Renato Russo, acertou.

Nos moldes de "Faroeste Caboclo", a história do filme é desenvolvida a partir da música, mas expande ao apresentar novos personagens e conflitos, ainda que a linha mestra siga a música. Afinal, de 4 minutos para 2 horas de filme muito precisa ser criado.



O tom do filme é mais do que acertado. Uma história de amor nada convencional, duas pessoas de idades e mundos diferentes que se apaixonam e decidem viver esse amor. Com alguns percalços, idas e vindas, somos agraciados com as belíssimas atuações de Alice Braga como Mônica e Gabriel Leone como Eduardo. O resto do elenco está ótimo e participamos da história também como amigos do casal título.

A trilha sonora da um show à parte, com hinos dos anos 80 que nos levam a cantar junto e dançar na cadeira do cinema. As locações em grandes cidades, de Brasília ao Rio de Janeiro, mostram que não importa onde estamos, quando amamos todo lugar se torna nosso.

Mônica é um espírito livre e teme se envolver com o peso do "para sempre". Então, convida Eduardo para viver o agora com ela. Esse agora que pode ser breve ou longo, mas que sempre será eterno enquanto dure.

Mesmo sabendo o final da história, eis que segue a letra da música na qual se baseou, como eles chegam lá nos deixa intrigados e envolvidos, numa história de amor tanto deles quanto nossa.

Um filme leve, bonito, recheado de amor, amizade e boa música, justamente o que precisamos nesse início de ano.


"Eduardo e Mônica", em janeiro nos cinemas de todo Brasil.




Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III