NINGUÉM VIRÁ TE SALVAR

As luzes se apagam, a cortina desce e você resta. Em pé. Sozinha. Defronte a sua própria humanidade. As lágrimas que escorrem em sua face não são só suas. São daqueles que sofrem como você, que vivem como você.


Ninguém virá te salvar. Não tem super herói ou heroína para tirá-la da dor, da dúvida, da insegurança. Só existe você. Com suas falhas, com seus medos. Com sua coragem que falseia e por vezes, cai. Só existe a sua imagem de si mesma diante de um teatro vazio, sem aplausos.


Nas memórias de quem foi, você permanece. Revive, sente, sofre. Porém, você não mora mais lá. Naquele lugar, naquela você. Não, você não é mais aquela pessoa. Aquele corte virou cicatriz, daquele romance não restou nem perfume. Acabou. E você sabe disso.


Alexander Pope escreveu: 


"Como é imensa a felicidade da virgem sem culpa.
Esquecendo o mundo, e pelo mundo sendo esquecida.
Brilho eterno de uma mente sem lembranças!
Cada prece é aceita, e cada desejo realizado;"


Você não é imaculada, traz em si a vida que viveu, e principalmente a que não viveu. Traz em si as possibilidades do que nunca foi.


A mente sem lembranças é uma tela em branco. É um silêncio ruidoso no fundo da mente, que soterra, que afunda.


Ninguém virá te salvar. Ninguém virá te dizer para gritar para sorrir para amar.
Só você pode. Só você pode realizar o desejo. 


Quanto a mim, busco na arte o que não encontro no mundo, o que mora em mim. E espero que nela meus gritos e sussurros sejam ouvidos. 


Espero poder colorir a mente através das palavras que, no fundo, me dão vida e fazem sentir - e sentido no teatro em que me encontro.



Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III