SOBRE O PORQUÊ DE ESTARMOS VIVOS

Questões sobre o propósito da vida, sobre a razão de tudo isso vêm perseguindo a humanidade desde tempos remotos.

Atualmente então, com o aumento da informação, com a difusão do conhecimento, parece que esta busca está cada vez mais intensa, porém, longe ainda de um fim.  Na verdade, acho que nunca terá um fim.

Afinal, o que nos move é justamente a pergunta, e não a resposta. É viver e vivenciar a vida de forma plena e completa, para quem sabe, um dia, chegarmos perto do conhecimento daquele grande “porquê”.

Contudo, para além de um texto que questiona, quero trazer algumas respostas. Porque acredito que estamos vivos para viver. Parece simples, e é. Na maioria das vezes.

Com o tempo, e a maturidade (coisas que não andam necessariamente juntas), aprendemos que tendemos a complicar demais. Que as melhores coisas da vida não são coisas, são pessoas. São os momentos que passamos juntos, um olhar, uma palavra, um abraço. Um pôr do sol em excelente companhia. Uma conversa interminável, ou aquele silêncio que diz tudo.

Em pesquisas feitas com pessoas que viveram muito ou com doentes terminais, dessas pesquisas que se lê por aí, sempre me deparo com um denominador comum: dificilmente as pessoas se arrependem de coisas que fizeram, e quase nunca lembram de grandes conquistas ou acontecimentos. 

Recordam-se, contudo, daquilo que não viveram, e dos pequenos grandes acontecimentos de cada dia. Sentem falta de um cheiro, de uma paisagem, de uma pessoa ou várias. Sentem falta da conexão, das trocas de energia que dão sentido a tudo.

Com o passar dos anos fui aprendendo a me desprender de tudo aquilo que achei que precisava, de esperar eternamente por conquistas que nem sabia mais se eram desejadas, ou meras fixações.

Aprendi a deixar a vida fluir um pouco mais, ainda que um pouquinho de cada vez. A apreciar as pessoas que vêm e vão, e principalmente as que ficam, não importa por quanto tempo. Afinal, a vida é isso, amor. Em cada momento, em cada gesto, em cada quadro que pintamos para nós.

É o amor sobre a própria existência, sobre cada aspecto dela, cada pessoa, cada momento. Amor a si mesmo. 

Sobre o porquê de estarmos vivos? Para viver. Parece simples, e é. Afinal, as melhores coisas da vida são. 

Cuide delas.❤

Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III