"ENTÃO É NATAL, E O QUE VOCÊ FEZ?"


Fim do ano se aproximando, logo a Simone vem dizer que é Natal, e vai te perguntar  “o que você fez?”. 

O que você dirá?

A vida passa rápido, ainda mais com a velocidade das comunicações hoje em dia. Em um piscar de olhos já é ontem, e então nos pegamos ansiosos pelo porvir, pelos planos não concretizados, pela vida que passou e nem percebemos.

E um novo Natal se aproxima.

Não podemos mudar a velocidade das coisas, mas podemos apreciá-las melhor, mais intensamente. Parece papo clichê, mas posso dizer por experiência própria que desde que comecei a fazer isso, passei a aproveitar melhor meus dias, no melhor estilo “Questão de Tempo” (se ainda não viu esse filme, faça um favor a você mesmo e assista!).

Em linhas gerais, aprendi a agradecer o momento, a tirar dele algo único, especial. A estar ali, mesmo que pensando no depois, no antes, mas a estar presente no presente

E a agradecer, regular e periodicamente.

Aprendi que fazer balanços diários, reflexões, agradecimentos, é a melhor forma que temos para perceber que a vida passa rápido, mas que a estamos vivendo – ou não, e relembrar todos os momentos bons, aprender com os ruins, e ver onde podemos melhorar.

Estar no momento é estar vivendo aqui, e não ficar pensando insistentemente no daqui a pouco. Não é tarefa fácil, mas com a prática se torna algo mais natural e prazeroso.

Fazer planos é importante, relembrar é essencial. Porém, estar no agora, aproveitar essa vida, as pessoas a nossa volta e as oportunidades que existem neste momento, é algo que não volta.

Então, vamos tentar estar mais presente, quem sabe no próximo Natal, quando a Simone voltar a nos perguntar o que fizemos, possamos dizer: “senta aqui querida, tenho um monte de coisa para te contar!”.

PS. Para quem não pegou a referência da Simone, é uma música de Natal que toca todos os anos desde que sou criança, em que ela diz “Então é Natal, e o que você fez? O ano termina, e começa outra vez...”

Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III