MATRIX RESURRECTIONS (sem spoilers)

Matrix mudou o cinema e a forma de ver filmes.

Com uma historia inovadora e efeitos especiais até então nunca vistos, há mais de 20 anos fomos apresentados a Neo, e toda uma concepção existencialista mesclada à ficção científica.

Um dos meus filmes favoritos, teve duas continuações, Matrix Reloaded e Matrix Revolutions, que encerraram a história até então contada.

Anos depois, não se estranha que a criadora do universo, Lana Wachowski, retorne a ele, agora muito mais livre em quem é e na sua forma de contar histórias.

Os ecos de seus trabalhos anteriores estão aqui. Não só no elenco de Sense8 em peso, mas nos ideias de humanidade e conexão.




Não mais um filme sobre autodescoberta, mas sobre o que fazer e quem ser depois que se sabe quem é.

As conexões reais e o amor verdadeiro são o que move a sociedade e o que nos faz sair da cama pela manhã.

Com muita ação, tecnologia de ponta, não mais estamos separados em pílula azul e vermelha, mas há um universo de roxo no caminho, a área cinzenta é vasta. Não há mais nós ou eles, podemos - e devemos trabalhar juntos, coexistir e criar um mundo melhor para todos.

Longe de ser uma releitura do primeiro filme, como eu temia que fosse, a primeira parte do filme é um deleite para os fãs. Muitas referências são subvertidas, em diálogos autorreferenciais geniais, engraçados e muito inteligentes, e as críticas sociais são reiteradas, agora com o novo contexto de mundo. Cenas do primeiro filme são colocadas em espelhos e vidros, fazendo feliz um Lewis Carroll e sua Alice Através do Espelho.

Porém, da metade para frente é um outro Matrix. A palheta verde da trilogia original da lugar ao azul e passamos a entender que sozinhos somos grandes, mas juntos, somos imbatíveis.

Sempre que vamos ao cinema levamos algo de nós. Aqui, mais do que nunca. Para além de um quarto filme, Matrix Resurrections é um presente para os fãs e explica a história para quem não a conhece.

Recomendo assistir ao filme de peito aberto. Leve suas expectativas- impossível deixá-las em casa, mas não se esqueça de apreciar o filme pelo que ele é, e não por aquilo que gostaria que fosse. A experiência será infinitamente melhor e a mensagem do filme melhor absorvida.

Por fim, vá ao cinema e se divirta, pois um bom filme faz isso, faz pensar e entretém e Matrix faz tudo isso e ainda nos lembra que real é aquilo que desejamos que seja.

Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III