OS FABELMANS - DE STEVEN SPIELBERG

Em “Os Fabelmans” Steven Spielberg reconta traços de sua infância, da descoberta do cinema, às relações com seus familiares, sobretudo sua mãe.


O filme é um passeio para dentro de seu mundo e um vislumbre à sua paixão pela sétima arte. Acompanhamos a primeira ida ao cinema, a compra da primeira câmera, as primeiras filmagens entre amigos e da família.


Muito bem filmado como todos os filmes dele são, somos transportados para seu mundo infantil com a mesma pureza com que ele quer lembra-lo. A pureza das primeiras descobertas, o vislumbre do mundo por trás da lente da câmera.




Seus pais, brilhantemente interpretados por Michelle Williams e Paul Dano, roubam a cena em diversos momentos, mostrando que uma família é composta de amor, mas de individualidades que por vezes se chocam. Destaque para Michelle, que para mim é a protagonista do filme.


Parentes e amigos aparecem na história, ora dando conselhos profundos, ora servindo como alívios cômicos ou condutores das ações dos personagens. O tio sábio e vivido, a primeira namorada, o valentão frágil que mostra que nada é o que parece ser.


O filme nos envolve em suas duas horas e pouco de nostalgia, amor ao cinema, dramas familiares e reencontros especiais.


Nada muito profundo ou dolorido, mas na medida para funcionar como catarse ao diretor e proporcionar bons momentos aos telespectadores.


Prevejo que vá bem em premiações, afinal, é um filme que agrada, entretém e nos lembra de seguir nossas paixões. Afinal, são as paixões que nos movem.


"Os Fabelmans", 12.01 nos cinemas.

Em alta

OS TRÊS MOSQUETEIROS - D´ARTAGNAN - cinema em seu melhor

'BATEM À PORTA" - Um filme que faz sentir

CREED III